sábado, 3 de setembro de 2011

Teoria da internet sem carros voadores



Ao ver filmes como De Volta Para o Futuro 2 e seus semelhantes, ou desenhos futuristas como Os Jetsons e seus semelhantes, sempre nos deparamos com carros voadores. Apenas para melhor clareza, uma vez definiu Guilherme Coelho que carros voadores são "meios de transporte urbano individual aéreos desprovidos de rodas".



Continuando, minha rápida lista de futuros precipitados inclui: Futurama, Homem Bicentenário, Eu-Robô, A. I. - Inteligência Artificial, 2001 - Uma Odisseia no Espaço, Projeto Zeta, Batman do Futuro, Minority Report, O Caçador de Androides, alguns episódios dos Simpsons... Aliás, os filmes/desenhos mais antigos acreditavam que até o ano 2000 já estaríamos voando de carro por aí.

No Back To The Future 2, inclusive, em 2015 até os skates voavam. Mas veja só, estamos em 2011 e não estamos nem perto de buzinar nas alturas...

Patrocinado ainda


Por que esse atraso? Como podem tantos filmes e desenhos terem errado tanto?

Tentando responder essa revoltante questão que assola a humanidade, devemos parar e pensar o que temos hoje que não temos nos filmes futuristas. A resposta é rápida: internet.

Nenhuma ficção do passado previu a internet. Não assim como ela é: notícias, bate-papo, enciclopédias, jogos, vídeos, filmes, músicas, blogs, pornografias...

Então que conclusão podemos chegar? A mais óbvia conta-nos que o Tempo estava seguindo seu percurso pela estrada da Vida e de repente se deparou com dois caminhos possíveis: o da esquerda dizia: "Carros Voadores", enquanto o da direita dizia: "Internet". Talvez em algum universo paralelo você esteja pilotando seu carro voador nesse exato momento, mas nesse imprevisivelmente você está usando a internet  (sou vidente bjraven).

Agora devemos refletir: por que os dois caminhos não podiam ter sido seguidos simultaneamente? Então vos lembro: a internet te distrai. Você não está lendo isso por ser útil, nem eu escrevendo por achar ser. A internet distraiu os cientistas que estavam a um passo do carro sem rodas. Resolveram deixa pra trás enquanto limpavam seus e-mails e tentavam descobrir métodos de burlar o rapidshare. Inclusive todo o resto do futuro com hologramas e teletransportes foi deixado de lado, junto com os carros voadores.


...

Tá. Alguns realmente previram a internet, eu sei. Tem esse vídeo antigão, intitulado "The internet in 1969"...:


...e tem também o livro Living In The Future, de Geoffrey Hoyle, onde ele prevê webcams, compras pela internet, ensino à distância, bibliotecas digitais e tal. Inclusive descreve uma sala com acervo digital em uma biblioteca do futuro: “Os livros, filmes e jornais estão todos armazenados no computador da biblioteca. Primeiro você acessa o índice de biblioteca. Este arquivo contém todos os livros que já foram escritos. Não importa se eles foram primeiro escritos em chinês ou francês. Eles vão estar aqui, traduzidos para o Inglês. Há também um índice de filmes e jornais.” Na descrição de Hoyle, você pode até virar as páginas usando botões e acessar qualquer livro em sua própria casa. Ele previu até o déficit de atenção das pessoas do futuro: “Enquanto você está na biblioteca, você pode querer ver alguns filmes de viagem para lhe ajudar a decidir para onde irá nas próximas férias. (…) Até mesmo se você estiver sozinho em sua casa, você pode conversar com seus amigos durante a aula. É so digitar o número de um amigo e o seu rosto aparece no canto da tela”. Que coisa, não? Esse último parágrafo foi baseado nesse link: http://super.abril.com.br/blogs/superlistas/9-escritores-que-previram-o-futuro/



Enfim, fica aí a teoria. A internet atrapalhou o desenvolvimento dos carros voadores e o futuro foi comprometido por causa dela. E eu, coalão, não reclamo nem um um pouco.

Post feito ouvindo Deftones e Dope.

Nenhum comentário:

Postar um comentário